Mia Couto

En el balcón


.
No me basta ser:
yo quiero transbordarlo todo,
el desasombro
que todo margen desconoce.

No me basta vivir:
quiero ser habitado
por quien al destino desobedece.

No me basta vivir:
quiero la vida como fiebre,
el amor como fuego y agua.

Al final, sabrás:
lo que se ama no regresa.

Lo que se vive
no empieza.

Y el sueño
nunca tiene prisa.
.


Mia Couto. Na Varanda
Traducción de Enrique Gutiérrez Miranda

Na Varanda

Não me basta ser:
eu quero o transbordar de tudo,
o desassombro
que toda margem desconhece.

Não me basta morar:
quero ser habitado
por quem ao destino desobedece.

Não me basta viver:
quero a vida como febre,
o amor como lume e água.

No final, saberás:
o que se ama não regressa.

O que se vive
não começa.

E o sonho
nunca tem pressa.